O Antropoceno como Regime de Historicidade

Alfredo Ricardo Silva Lopes, Mário Martins Viana Junior

Resumo


A velocidade e a intensidade com que os seres humanos vêm se apropriando dos recursos naturais modificaram as dinâmicas ambientais em todo planeta. O Antropoceno se baseia no pressuposto de que a humanidade recentemente se tornou um condicionante para transformações globais na circulação de água, no clima, na produtividade biológica, na biodiversidade, nos ciclos biogeoquímicos, nos padrões de sedimentação e na utilização global de terras e mares. Compreender o Antropoceno como regime de historicidade significa perceber que a aceleração no ritmo de apropriação dos recursos atinge a vida de todos e tem como resultado uma nova forma de conceber o tempo. Diferente da ideia progressiva e crescente estabelecida com a Revolução Industrial e Revolução Francesa, o tempo é agora materializado pelos limitados recursos naturais limitados do planeta Terra.

Palavras-chave


História Ambiental; Antropoceno; Regime de Historicidade.

Texto completo:

PDF

Referências


BLOCH, M. Apologia da História ou O Ofício de Historiador. Rio de Janeiro: ed. Zahar, 2001.

CROSBY, A. W. The Past And Present Of Environmental History. American Historical Review. v.100, no. 4, 1995. p. 1177-1189.

CRUTZEN, P.J.; STEFFEN, W. How long have we been in the Anthropocene era? Climatic Change, n. 61, p. 251-257, 2003.

HARTOG, F. Regimes de historicidade: presentismo e experiências do tempo. Belo Horizonte: Autêntica, 2015.

KOSELLECK, R. Estratos do Tempo. Estudos sobre história. Rio de Janeiro: Contraponto/PUC-Rio, 2014.

KOSELLECK, R. Futuro passado: contribuição à semântica dos tempos históricos. Rio de Janeiro: Contraponto/Editora PUCRio, 2006.

KRENAK, A. Ideias para adiar o fim do mundo. São Paulo: Cia das Letras, 2019.

LE GOFF, J. História e Memória. Campinas: Ed. da UNICAMP, 2003.

LEINFELDER, R. Assuming Responsibility for the Anthropocene: challenges and opportunities in education. In: TRISCHLER, H. Anthropocene: Envisioning the Future of the Age of Humans. RCC Perspectives, Munich, n. 3, p. 9-28, 2013.

LOPES, A. R. S. Desastres socioambientais e memória no sul de Santa Catarina (1974-2004). Tese (Doutorado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Programa de Pós-Graduação em História, Florianópolis, 2015.

LOPES, A. R. S. História Ambiental: Uma demanda contemporânea. Cadernos de Pesquisa do CDHIS (Online), v. 23, p. 483-496, 2010.

MARKS, R. The (modern) World since 1500. In: MCNEILL, John Robert; MAULDIN, Stewart. A companion to Global Environmental History. Nova York, Londres: Wiley- Blackwell, 2012, p. 57-78.

MCNEILL, J. R. Something New Under the Sun: an environmental history of the twentieth-century world. New York: W. W. Norton & Co., 2003.

PADUA, J. A. As bases teóricas da história ambiental. Estudos Avançados, São Paulo, v. 24, n. 68. 2010, p. 81-101.

VEIGA, José Eli da. Desenvolvimento Sustentável: o desafio do século XXI. Rio de Janeiro: Garamond, 2008.

WORSTER, D. Transformações da terra: para uma perspectiva agroecológi¬ca na História. Ambiente & Sociedade. v. V, n. 2, ago-dez. 2002. v. VI, n. 1, jan-jul. 2003.

YUSOFF, K. A Billion Black Anthropocenes or None. University of Minnesota, 2018.




DOI: https://doi.org/10.14295/rbhcs.v12i23.11708

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Alfredo Ricardo Silva Lopes, Mário Martins Viana Junior

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Revista Brasileira de História & Ciências Sociais - RBHCS

Qualis Capes B1 - A Nacional 

Desde 07 de março de 2009

A Revista Brasileira de História & Ciências Sociais utiliza  Licença Creative Commons Attribution 4.0

Creative Commons License

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia