Contrainformação e conhecimento emancipatório como práticas educativas no enfrentamento da economia de desastres da mineração em Barcarena (PA).

Eunapio Dutra do Carmo

Resumo


A crise ambiental sob a hegemonia da mineração em Barcarena provocou a recomposição do campo político. Este artigo faz uma análise da atuação dos movimentos sociais na produção social da contra-informação no contexto da economia de desastre. São apresentadas as principais tensões em torno da disputa narrativa e as estratégias de resistências. De um modo geral, há uma importante insurgência política no campo de informações na medida em que os atores atingidos estão se apropriando de outros conhecimentos que vem potencializando as resistências e à defesa dos ecossistemas duramente atingidos. O conjunto destas ações pautam práticas educativas na formação de sujeitos políticos com caráter emancipatório, cujo foco é a garantia de direitos socioterritoriais para os povos da Amazônia. A abordagem interdisciplinar colabora na apreensão da arena de disputa, em especial, a politização do tema desastres, ampliando a análise dos mesmos, rompendo com a visão tecnicista agenciado pelas mineradoras.

Palavras-chave


Contra-Informação. Desastres. Disputa Política

Texto completo:

PDF

Referências


ALEPA. Comissão Parlamentar de Inquérito: Danos ambientais na bacia hidrográfica do rio Pará. Relatório Final. Belém: Alepa, 2018.

BARCARENA LIVRE. Barcarena Livre Informa: 37 anos de desastres socioambientais em Barcarena. Belém: UFPA; Rio de Janeiro: IBASE, 2016.

BRAGANÇA, Pedro L. de. STEINBRENNER, Rosane A. NETO, Guilherme G. A cobertura do vazamento da Hydro Alunorte em Barcarena. In: CASTRO, E.; CARMO, E. D. (Ogrs). Dossiê: Desastres e crimes da mineração em Barcarena. Belém: NAEA: UFPA, 2019.

CASTRO, E.; CARMO, E. D. (Ogrs). Dossiê: Desastres e crimes da mineração em Barcarena. Belém: NAEA: UFPA, 2019.

CARMO, E. D. Desastres e tensões em Barcarena à luz de disputas territoriais. In: CASTRO, E. (Org.). Territórios em Transformação: saberes, rupturas e colonialidade. Belém: NAEA, 2017. p. 65-80.

CARMO, E. D. HAZEU, M. T., COSTA, S. M. G. DA, & FIALHO NASCIMENTO, N. S. Barcarena livre: resistência e lutas de comunidades tradicionais frente aos desastres socioambientais da mineração. In: CASTRO, E. (Org.). Territórios em Transformação: saberes, rupturas e colonialidade. Belém: NAEA, 2017. p. 365-388.

CARMO, E. D.; CASTRO, E.; PATRÍCIO, J. Mineração e neo-extrativismo de commodities e conflitos. Novos Cadernos NAEA, v. 18, n. 3, p. 51-71, 2015.

CASTRO, E. (Org.). Territórios em Transformação: saberes, rupturas e colonialidade. Belém: NAEA, 2017.

CASTRO, E. Expansão da fronteira, megaprojetos de infraestrutura e integração sul-americana. Caderno CRH, Salvador, v. 25, n. 64, p. 45-61, jan./abr., 2012.

CHIAVEGATTO, JOÃO. A3 Dossiê: A economia do desastre. Juiz de Fora, 2019. Disponível em: https://www2.ufjf.br/noticias/2019/02/13/a3-dossie-a-economia-do-desastre/, acesso em: 30 de março de 2020.

DNPM – Departamento Nacional de Produção Mineral. Classificação das barragens de mineração. Belém: DNPM, 2016. Disponível em: http://www.anm.gov.br/assuntos/barragens/arquivos-arragens/ CADASTRO%20NACIONAL%20DE%20BARRAGENS_2016%20_FINAL%2006-01-2017.pdf. Acesso em: 15 maio 2019.

GUDYNAS, E. Extractivismos en America der Sur: conceptos y sus efectos derrame. In: A. Zhouri, P. Bolados, E. Castro (eds.). Mineração na América do Sul: neoextrativismo e lutas territoriais. São Paulo: Ed. Annablume, 2016. p. 23-43.

HAESBAERT, R. O mito da desterritorialização: do “fim dos territórios” à multiterritorialidade. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2004.

HAZEU, M. T., COSTA, S. M. G. DA, & FIALHO NASCIMENTO, N. S. (2019). Comunidades tradicionais e sindicatos em conflito com estado e capital em Barcarena (PA). Argumentum, 11(1), 173-187.

HYDRO. Estratégias e metas, 2017b. Disponível em: https://www.hydro.com/en/investors/reports/annual-report-2017/strategy-and-targets/. Acesso em: 14 abr. 2019.

QUEIROZ, H. A.; MORAES, V. R. O. . Mineração e Capitalismo no Vale do Rio Doce: produção destrutiva, rompimento de barragens e estratégias de reparação.. In: XIII Encontro Nacional da Sociedade Brasileira de Economia Ecológica, 2019, Campinas. Vale do Rio Doce: produção destrutiva, rompimento de barragens e estratégias de reparação., 2019. p. 1-20.

MILANEZ, B.; SANTOS, R. Neodesenvolvimentismo e neoextrativismo: duas faces da mesma moeda? In: ENCONTRO ANUAL DA ANPOCS, 37, 2013, Sãp Paulo. Anais ... São Paulo: ANPOCS, 2013. Disponível em: http://www.ufjf.br/poemas/files/2014/07/Milanez-2013-Neodesenvolvimentismo-e-neoextrativismo-duas-faces-da-mesma-moeda.pdf. Acesso em: 19 jan. 2019.

NEEPES/ENSP/FIOCRUZ. Mapa de Conflitos Envolvendo Injustiça Ambiental e Saúde no Brasil. Disponível em: http://mapadeconflitos.ensp.fiocruz.br/?populacao=agricultores-familiares&uf=pa&s=barcarena&post_types=conflito. Acesso em: 20 de Jan. 2020

OBIND – Observatório dos Direitos e Políticas Indígenas. Amazônia Real: “O igarapé morreu, não tem mais peixe”, diz moradora sobre impactos em Barcarena. Brasília, 2018. Disponível em: http://obind.eco.br/2018/05/21/amazonia-real-o-igarape-morreu-nao-tem-mais-peixe-diz-moradora-sobre-impactos-em-barcarena. Acesso em: 13 de Jan. 2020

PEREIRA, S. F. P. Desastres Sócio-Étnico-Técnico-Ambientais em Barcarena. CASTRO, E.; CARMO, E. D. (Ogrs). Dossiê: Desastres e crimes da mineração em Barcarena. Belém: NAEA: UFPA, 2019.

PEREIRA, S. F. P. Estudo da qualidade da água de consumo de moradores do município de Barcarena - Pa. Belém: UFPA, LAQUANAM, 2014.

PEREIRA, S. F. P. Estudo preliminar dos níveis de contaminação Ambiental provocado por vazamento de efluente da Imerys rio capim caulim na região de vila do conde - Barcarena – Pa. Belém: UFPA, LAQUANAM, 2007. (Relatório).

PEREIRA, S. F. P.; OLIVEIRA, G. F. Estudos químico-ambientais de recursos hídricos afetados por vazamento de caulim em Barcarena-Pa. In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL - AMAZÔNIA E FRONTEIRAS DO CONHECIMENTO, II, 2010, Belém. Anais ... Belém: NAEA, 2010.

PORTO, M.; PACHECO, T.; LEROY, J. P. Injustiça Ambiental e Saúde no Brasil: o Mapa de Conflitos. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2013.

RAFFESTIN, Claude. Por uma Geografia do Poder. São Paulo: Ática, 1993.

SAQUET, M. A. Abordagens e concepções sobre território. São Paulo: Expressão Popular, 2007.

SANTOS, M.; SILVEIRA, M.L. O Brasil: território e sociedade no início do século XXI. 6.ed., Rio de Janeiro: Record, 2004.

SANTOS, Milton. A natureza do espaço. Técnica e tempo. Razão e emoção. São Paulo: Hucitec, 1996.

SIQUEIRA, V. Alunorte: Uma história de sucesso. Belém: Artes Gráficas e Editora, 2010.

ZHOURI, A. BOLADOS, P. CASTRO, E.(Orgs). Mineração na América do Sul: neoextrativismo e lutas territoriais (1a ed.). Coleção Cidadania e Meio Ambiente. São Paulo: Annablume, 2016.




DOI: https://doi.org/10.14295/rbhcs.v12i23.11183

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Eunapio Dutra do Carmo

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Revista Brasileira de História & Ciências Sociais - RBHCS

Qualis Capes B1 - A Nacional 

Desde 07 de março de 2009

A Revista Brasileira de História & Ciências Sociais utiliza  Licença Creative Commons Attribution 4.0

Creative Commons License

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia