Movimento dos Pescadores e Pescadoras Artesanais em Mato Grosso: Patrimônio Cultural e Lutas Políticas

Manuela Areias Costa, Luciano Pereira da Silva

Resumo


Este trabalho propõe reflexões sobre a relação entre movimento dos pescadores e pescadoras artesanais, meio ambiente e patrimônio cultural imaterial. Discute as dimensões e alcances de um inventário cultural, princípios jurídicos e aplicabilidade nas políticas públicas de pesca. Para tanto, apresentaremos aspectos relacionados ao movimento dos pescadores artesanais e os resultados da ativação patrimonial promovida para garantir seus direitos ao trabalho e à reprodução cultural. A emergência dos procedimentos ocorreu diante do risco de restrição ao uso de dois objetos: os barracos e tabuados. A sinergia entre pesquisas científicas, apoio de organização não governamental, adoção de princípios jurídicos específicos no âmbito do Conselho Estadual de Pesca de Mato Grosso, e a atuação política dos pescadores do município de Cáceres, possivelmente garantiu seus direitos de permanência no rio, a continuidade de práticas e saberes e a manutenção de seus territórios de pesca.

 


Texto completo:

PDF

Referências


BOURDIEU, Pierre. O amor pela arte. Os museus de arte na Europa e seu público. 2ª. Edição, Editora da Universidade de São Paulo, São Paulo, Zouk , Porto Alegre, 2007.

CAMÍN, Eduardo. Um triunfo histórico na ONU a favor dos direitos dos camponeses. Nodal. Agência de América Latina y Caribe. Disponível em: https://www.nodal.am/2018/10/um-triunfo-historico-na-onu-a-favor-dos-direitos-dos camponeses-por-eduardo-camin/. 2018. Acesso em 19/10/2018.

CAP, 2018. “Relatório da Comissão de Registro de Patrimônio Imaterial de Pescadores e pescadoras da cidade de Cáceres,” Decreto Municipal n. 217, de 03 de maio de 2016/Prefeitura Cáceres. 2018.

CARDOSO, Eduardo. “Pescadores: Geografia e Movimento Social.” In: Anais do X Encontro de Geógrafos da América Latina – 20 a 26 de março de 2005 – Universidade de São Paulo.

CARMO, Silvano & LOGAREZZI, Amadeu José Montagnini. “Educação ambiental e participação comunicativa: diálogos com pescadoras e pescadores artesanais no pantanal de Mato Grosso.” Revbea, São Paulo, v. 13, n. 1, 2018.

CASTELLS, M. A sociedade em rede. São Paulo, Paz e Terra, 1999.

CASTELLUCCI, Wellington. “Pescadores da modernagem: experiências e trajetórias nos diversos tempos da vila de Tairú – Itaparica (1960-1990).” Revista História Oral, v. 16, n. 2, p. 27-53, jul./dez. 2013.

_______ . “As populações litorâneas e ribeirinhas na História do Brasil: disciplina, resistência e exclusão na contemporaneidade.” In: CASTELLUCCI, Wellington; BLUME. Luiz Henrique (orgs.). Populações litorâneas e ribeirinhas na América Latina. Salvador: EDUNEB, 2016, pp.31-66.

CATELLA, Agostinho. “Gestão pesqueira e conservação ambiental: binômio inseparável.” (Palestras ministradas no – I Seminário Complexos hidrelétricos, licenciamento ambiental e estoques pesqueiros: impactos sobre as pescas artesanal, tradicional e de subsistência na Bacia do Alto Paraguai e sub-bacia do rio Juruena – rio Arinos. UNEMAT (coord), FONASC, OPAN e Associação de Pesquisa Xaraiés em 09/10/2019; e – Reunião Ordinária do CEPESCA, em 10/10/2019).

CONSTITUIÇÃO da República Federativa do Brasil de 1988.

CONVENÇÃO Americana sobre Direitos Humanos. San José, Costa Rica ( Art. 5 – 5.1, 5.2. Art. 11 – 11.1, 11.2, 11.3. Art. 16 – 16.1. Art 17 – 17.1. Art. 32 – 32.1, 32.2; Art. 33. Art. 44). 1969.

CONVENÇÃO sobre a proteção e promoção da diversidade das expressões culturais da Organização das Nações Unidas para Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO), Paris, 2005.

COSTA, Manuela Areias; SILVA, Luciano P. “Patrimônio Cultural, Festas e Lutas Políticas em Comunidades Quilombolas de Mato Grosso.” Revista Memória em Rede, Pelotas, v.12, n.22, Jan/Jun.2020.

DECLARAÇÃO Sobre os Direitos dos Camponeses e Outros Trabalhadores Rurais. Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas, 2018.

DECRETO 6.040/2007 – Institui a Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais. 2007.

DECRETO Nº 6.177, DE 1º DE AGOSTO DE 2007. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2007/decreto/d6177.htm. Acesso em: 24/05/2020.

DIEGUES, Antônio Carlos Sant’ana. O Movimento Social dos Pescadores Artesanais Brasileiros. São Paulo: NUPAUB-USP, 1995.

________. Povos e águas. Inventário de áreas úmidas brasileiras. 2.ed. São Paulo: Nupaub-USP, 2002.

ECOA. Disponível em: https://ecoa.org.br/pantanal/sistema-parana-paraguai-de-areas-umidas-2/. Acesso em: 09/03/2020.

EULE, Ana Margarida Castro. “O acordo de Paris e o futuro do Redd no Brasil.” Cadernos Adenauer, nº2 Mudanças climáticas: o desafio do século Rio de Janeiro: Fundação Konrad Adenauer, agosto 2016.

GOHN, Maria da. Glória. “Movimentos Sociais na Contemporaneidade.” Revista Brasileira de Educação v. 16 n. 47 maio-ago. 2011.

_______ . Teoria dos movimentos sociais. São Paulo: Loyola, 2007.

HAESBAERT, Rogério. O mito da desterritorialização: do fim dos territórios à multiterritorialidade. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2004.

IPHAN (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional). Manual de Aplicação de Educação Patrimonial para o Programa Mais Educação, Brasília, 2013.

MARINHO, Marcos dos Santos. Movimento Social e Conflitos na Pesca. Tese de doutorado apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Ciências Socais, PUC-São Paulo, 2009.

MATO GROSSO. Resolução CEPESCA nº 006, de 28 de dezembro de 2018. Dispõe sobre a regulamentação de Barracos e Tabuados de Pescadores Artesanais. https://www.jusbrasil.com.br/diarios/223174148/doemt-28-12-2018-pg-151 (Acesso em: 14/03/2020).

MATO GROSSO. Moção CEPESCA n.º 001, de 28 de dezembro de 2018. https://www.jusbrasil.com.br/diarios/223174148/doemt-28-12-2018-pg-151 (Acesso em: 14/03/2020).

MATO GROSSO. Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso. Disponível em: https://www.al.mt.gov.br/midia/texto/32/deputado/projeto-cota-zero-sera-discutido-em-barra-do-bugres-na-sexta-feira-30/visualizar (Acesso em: 24/05/2020).

MATO GROSSO. Decreto nº 299, de 21 de novembro de 2019. Altera o Decreto nº 883, de 21 de março de 2017, que Institui a Comissão Estadual do Zoneamento Socioeconômico Ecológico-CEZSEE/MT. Disponível em: https://www.jusbrasil.com.br/diarios/140769338/doemt-21-03-2017-pg-13 (Acesso em 25/05/2020).

NORRA, Pierre. “Entre memória e história: a problemática dos lugares.” In: Projeto História. São Paulo: PUC, n. 10, p. 07-28, dez. 1993.

POLLAK, Michael. “Memória, esquecimento e silêncio.” In: Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 2, n. 3, 1989.

POULOT, Dominique. “Um Ecossistema do Patrimônio.” In: CARVALHO, C. S. de; GRANATO, M; BENCHETRIT, S. F. (orgs.). Um Olhar Contemporâneo sobre a Preservação do Patrimônio Cultural Material. Rio de Janeiro: Museu Histórico Nacional, 2008.

RUBIM, Antônio Albino Canelas. Políticas culturais no Brasil: tristes tradições, enormes desafios. Salvador, 2007.

SANTOS, Milton. Por uma outra Globalização: do pensamento único à consciência individual. Rio de Janeiro: Record, 2000.

SEMA, Resolução CEPESCA, n° 003/2015, de 29 de abril de 2015. Disponível em: http://www.sema.mt.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=3085&Itemid=842.

SILVA, José Afonso da. Direito Ambiental Constitucional. São Paulo: Malheiros, 1997.

SOUZA, Silvano Carmo; LOGAREZZI, Amadeu José Montagnini. “Educação ambiental e participação comunicativa: diálogos com pescadoras e pescadores artesanais no pantanal de Mato Grosso.” Revbea, São Paulo, v. 13, n. 1, 2018.

TOURAINE, Alain. Como sair do liberalismo? Bauru: EDUSC, 1989. (Coleção Filosofia e Política).

UNESCO. Patrimônio da humanidade no Brasil: suas riquezas culturais e naturais, Brasília: UNESCO, 2014.

ZANATTA, Silvia; MACIEL, Josemar. “Pantanal ameaçado: as contradições em torno das narrativas para produção de energia hídrica.” Revista Brasileira de Meio Ambiente, v.8, n.1. 002-011 (2020).




DOI: https://doi.org/10.14295/rbhcs.v12i23.11178

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Manuela Areias Costa, Luciano Pereira da Silva

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Revista Brasileira de História & Ciências Sociais - RBHCS

Qualis Capes B1 - A Nacional 

Desde 07 de março de 2009

A Revista Brasileira de História & Ciências Sociais utiliza  Licença Creative Commons Attribution 4.0

Creative Commons License

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia